HomeNotíciasApós temporada de estudos, professores do SMD retornam ao curso com novas perspectivas

Após temporada de estudos, professores do SMD retornam ao curso com novas perspectivas

 

Por Rafael Maia Pinheiro

 

 

Neste ano de 2018, os professores Alysson Diniz, Natal Chicca e Rafael Carmo retornaram ao curso após anos fora cursando doutorado. Seu retorno à universidade traz novas perspectivas ao curso devido à renovação da bagagem de conhecimentos dos professores no que se refere à formação teórica mas também às práticas de pesquisa e de ensino. Além disso, esse o aumento do número de docentes em determinadas áreas do curso certamente tem muito a agregar às disciplinas e projetos na graduação.

 

O prof. Alysson, que atua na área de programação, mais especificamente em jogos digitais, ingressou no SMD em 2011 e esteve no exterior de 2014 a 2017, realizando curso de doutorado no Politecnico di Torino (Turim, Itália) em Engenharia da Computação. Sua tese discute design e aplicação de jogos digitais no ensino de conceitos de sustentabilidade. "Acho que a internacionalizaçao é um passo fundamental para a produção de pesquisa de alto nível, ainda que para tal não seja necessário um doutorado completo fora, já que se pode também participar de eventos internacionais, fazer pós-doutorado fora ou passar períodos no exterior durante o doutorado). Mas um tempo mais longo permite o estabelecimento de contatos que podem ser benéficos para o próprio curso futuramente", opina o professor Alysson. Ele ainda acrescenta que a forma como são encarados o ensino e a pesquisa no exterior auxiliam na certificação das práticas realizadas aqui e na sugestão de novas.

 

O prof. Natal, por sua vez, ingressou no SMD em 2010 e esteve na Universidade Federal de Pernambuco cursando doutorado em Design de 2013 a 2017. Com interesse e atuação nas áreas de desenho, ilustração, animação 2D, concepção de cenários e personagens e impressão 3D, nesse período focou seus estudos em como a impressão 3D pode auxiliar no processo ensino-aprendizagem em projetos de design. Para ele, o processo de renovação foi bastante positivo: "o processo de afastamento permite ao professor aprender não apenas os conteúdos focados nos estudos relacionados ao desenvolvimento do trabalho acadêmico , mas também permite conhecer diferentes realidades da nossa, ao conviver em um diferente local, com diferentes pessoas e em uma estrutura acadêmica à qual não estamos familiarizados. Dessa forma, não apenas podemos renovar as visões relacionadas às estruturas e processos de ensino, como também ter um novo olhar ao confrontar o curso de Sistemas e Mídias Digitais depois de tanto tempo afastados". Na sua opinião, há uma certa dificuldade no retorno às atividades docentes no curso, por conta das mudanças ocorridas e da necessidade de conciliação entre as atividades como docente e a continuidade dos seus estudos na área, pois, a seu ver, é de grande importância compartilhar os novos conhecimentos adquiridos com os alunos.

 

O prof. Rafael ingressou no SMD em 2011 e esteve na University College London (Londres, Reino Unido) de 2013 a 2017, no Departamento de Estatística, trabalhando com séries temporais. Seu doutorado foi na área de Ciência Estatística, com atuação em computação, especificamente em aprendizagem de máquinas e suas aplicações. Trata-se de um campo de estudo que agrega conceitos de estatística e computação, uma vez que se trata de um esforço em fazer com que a inteligência computacional "aprenda" um conceito através de repetições. Além disso, ele possui interesse na área de inteligência artificial para jogos. "Aqui no Instituto me interesso em fazer com que a aprendizagem de máquinas sirva como elemento para automatizar algumas tarefas em educação a distância (EaD)", afirma o prof. Rafael, que também deseja aplicar seus conhecimentos com motores de inteligência artificial em jogos. "É uma área um pouco diferente da aprendizagem de máquinas, mas que tem muitos conceitos parecidos", complementa. "O que eu trago de aprendizado e de experiência de Londres é que a massificação não é algo ruim. As aulas de graduação lá são para um número muito grande de pessoas e conseguem formar profissionais de qualidade. É preciso massificar porque queremos que um percentual maior da população chegue ao ensino superior, porém precisamos utilizar ferramentas para massificar", opina o professor. "O que achei maravilhoso lá é que toda aula de graduação já tinha parte do seu conteúdo dado em EaD, parte ensinada por alunos de mestrado, parte ensinada por alunos de doutorado etc. Então mesmo tendo muita gente fazendo a mesma disciplina, eles conseguiam dar um suporte muito grande ao aluno. Então o que trago é essa ideia de massificação. Precisamos ter mais pessoas aprendendo, mas temos também que preparar a estrutura. Por isso trago justamente essa vontade de criar uma estrutura muito forte. Por exemplo, lá havia muitas pessoas indo à universidade sábado e domingo, pois havia uma estrutura tão boa que elas se motivavam internamente a ir trabalhar, estudar, alcançar seus objetivos dentro da academia", acrescenta. Na sua concepção, o aumento do nível do curso passa diretamente pela organização, pela estrutura e pelo ordenamento bem definido na utilização dos recursos disponíveis.

 

O prof. Alysson Diniz é graduado em Ciência da Computação, com Mestrado em Informática e atualmente está terminando seu doutorado; entre as disciplinas que ministra estão Programação I e II, Projeto Integrado II e Inteligência Artificial para Jogos.

 

O prof. Natal Chicca é graduado em Design Gráfico, com Mestrado em Arquitetura e Urbanismo e Doutorado em Design; entre as disciplinas que ministra estão Desenho I, Projeto Integrado I e Design de Jogos.

 

O prof. Rafael Carmo é graduado em Ciência da Computação, com Mestrado também em Ciência da Computação e atualmente está terminando seu doutorado; entre as disciplinas que ministra estão Matemática Aplicada a Multimídia I, Projeto Integrado I e II.